Imprimir
PDF

Defesa de Lula protocola reclamação no STF contra decisão de Moro de manter processos em Curitiba

lula 02A 2ª turma do STF determinou que termos de colaboração premiada fossem remetidos à seção judiciária de SP.

OS escritórios Teixeira, Martins Advogados e José Roberto Batochio Advogados, responsáveis pela defesa de Lula, protocolaram nesta segunda-feira, 30, uma reclamação no STF contra a decisão do juiz Federal Sérgio Moro de manter ação penal movida contra o ex-presidente em curso no juízo da 13ª vara Federal de Curitiba/PR.

No último dia 24, a 2ª turma do STF decidiu enviar para a seção judiciária de SP os termos de colaboração premiada do processo envolvendo o ex-presidente sobre o sítio em Atibaia/SP. No entanto, um dia depois, Moro determinou a reabertura dos prazos referentes ao processo até que seja publicado o acórdão da decisão do STF.

No processo, a força-tarefa da Lava Jato acusa Lula de ser beneficiário de vantagens ilícitas, entre elas a reforma de um sítio em Atibaia/SP, a aquisição de imóveis para uso pessoal e para a instalação do Instituto Lula, além do pagamento de palestras, em retribuição aos favorecimentos ao grupo Odebrecht.

No documento enviado ao STF nesta segunda-feira, a defesa de Lula afirma que a força-tarefa da operação Lava Jato "apressou-se em carrear manifestação aos autos em primeira instância" agindo de modo "afrontoso" em relação à autoridade e à decisão do STF.

Na reclamação, os advogados ainda questionam a idoneidade do juízo da 13ª vara Federal de Curitiba/PR para fazer uma investigação ou seu devido julgamento. "Só há um juízo no Brasil? Estão todos os outros juízos demitidos de sua competência?"

A defesa de Lula ainda declara no documento que os procuradores da força-tarefa da Lava Jato se utilizam de táticas reprováveis para exercer seu munus acusatório – "como se não mais tivesse o Ministério Público qualquer compromisso com a ordem Constitucional, e como se o acusado fosse, de fato, um inimigo a ser esmagado."

Confira a íntegra da reclamação protocolada nesta segunda-feira.

 

*Migalhas

advogados sindicalizados

expressao popular uneafro grito dos excluidos assembleia popular