Imprimir
PDF

Madonna pede o fim do fascismo e adere ao movimento #EleNão

madona elenaoA popstar publicou foto em que aparece amordaçada, e os dizeres #EleNão vai nos desvalorizar, #EleNão vai nos oprimir, #EleNão vai nos calar. Neste sábado (29), haverá atos no Brasil e no exterior

São Paulo – A popstar Madonna também aderiu ao movimento #EleNão, que neste sábado (29) realiza atos no Brasil e em diversos países contra o candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) e suas manifestações machistas, fascistas, homofóbicas, xenófobas e misóginas. A cantora norte-americana publicou hoje (28) em seu perfil no Instagram foto em que está amordaçada e as mensagens em português #EleNão vai nos desvalorizar, #EleNão vai nos oprimir, #EleNão vai nos calar. Sobre a mordaça, a palavra freedom (liberdade, em inglês).

Madonna não é a primeira celebridade internacional a apoiar o movimento por meio da hashtag #EleNão, criada pelo grupo feminista Mulheres contra Bolsonaro, aberto no Facebook, que está puxando o movimento crescente.

A banda Black Eyed Peas, as cantoras Cher, Dua Lipa e Nicole Scherzinger, o ator britânico Stephen Fry, o cantor Dan Reynolds, a atriz Ellen Page e a drag queen Shangela também usaram suas redes sociais para se manifestar contra o candidato – que foi criticado também pela revista britânica The Economist.

 

*RBA

advogados sindicalizados

expressao popular uneafro grito dos excluidos assembleia popular