Imprimir
PDF

Bolsa Família completa 15 anos como referência internacional, mas sob ameaça

43618404930 18cf1f4423 oDados do governo federal sobre o programa, no entanto, são insuficientes para avaliar programa

“Ninguém nunca vai pescar sem nem ter uma isca, né?”. Assim, Rafael Machado da Silva, de 28 anos, defende o Bolsa Família. Após oito anos recebendo o benefício, o alagoano pediu, há dois meses, o desligamento voluntário do programa de transferência de renda, que completa 15 anos neste sábado (20).

O valor de R$ 87 mensais permitia que Rafael comprasse produtos simples, de higiene pessoal. O pequeno orçamento fixo representou a conquista da autonomia para o rapaz, que viveu em situação de rua por 14 anos em Maceió (AL).

“Eu podia contar com aquela verba, mesmo pouca, para ter uma pasta de dente, para ter uma escova. Comprar um cueca, uma bermuda ou ter um lanche nas horas necessárias”, lembra.

A entrada no Bolsa Família abriu as portas para que Rafael conhecesse e integrasse outras políticas públicas. Durante o tempo em que foi beneficiário do programa, ele fez cursos profissionalizantes e, mais tarde, integrou o Minha Casa Minha Vida. Hoje, ele atua como coordenador nacional do Movimento de População de Rua em Alagoas.

Êxito nos resultados

O Bolsa Família foi promulgado em 20 de outubro de 2003, durante o primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a partir da unificação e ampliação de programas de transferência de renda já existentes. No primeiro mês, o programa atendeu cerca de 1,15 milhão famílias. Hoje, atende mais de 13,9 milhões de famílias, que recebem, em média, R$ 178.

O mecanismo de transferência de renda é elogiado internacionalmente pela eficácia, mesmo com baixo custo para o Estado, aponta a Jucimeri Silveira, doutora em Serviço Social e professora da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR).

“É um programa que tem uma relevância muito importante e é reconhecido pela ONU como exitoso pela sua contribuição, não só na redução da pobreza, mas também na melhoria de indicadores de desenvolvimento humano”, pontua a especialista.

O relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) de 2015 apontou crescimento de 10,5% do IDH brasileiro entre 2000 e 2014 — o índice saiu de 0,683 para 0,755. Além disso, de 2006 a 2014, a pobreza multidimensional caiu de 4% para 2,9%. O dado representa a porcentagem de brasileiros sem acesso a itens básicos de assistência social.

A ONU reconheceu a participação do programa na melhoria desses indicadores. E o Banco Mundial chegou a recomendar que o governo ampliasse o orçamento previsto do Programa Bolsa Família para conter o aumento do número de "novos pobres".

“Há um consenso sobre sua importância no impacto positivo no acesso a demais direitos e políticas sociais pelas condicionalidades, especialmente saúde e educação. Mas, infelizmente, há uma parcela da sociedade e projetos políticos que conflitam com essa perspectiva e tem disseminado preconceito, ódio, moralismo e criminalizam as famílias beneficiárias do Bolsa Família”, continua a professora.

Autonomia feminina

Outro aspecto que Silveira destaca é que o Bolsa Família também contribuiu para o desenvolvimento dos territórios antes negligenciados e, consequentemente, ajudou na redução das desigualdades regionais. E que ele também foi determinante, principalmente, para as mulheres.

O índice da participação feminina no programa chega a 93%. A Lei do Bolsa Família define que elas devem ser as titulares preferenciais do benefício. Ou seja, as responsáveis por receber o cartão e o pagamento.

Um estudo do Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG) das Nações Unidas demonstrou que o acesso direto aos benefícios do programa aumentou a capacidade de tomada de decisão das mulheres em relação às questões domésticas, impulsionando sua autonomia.

Esse é o caso da manicure Antonia Fabia da Costa Alves, de 35 anos. Ela conta que o valor do benefício parece que quase sempre se multiplica. O benefício é utilizado por ela para fazer feira, comprar roupa e material escolar para os seis filhos e até ajudar no aluguel.

Egressa do sistema prisional, ela recebe o benefício há oito anos. E isso é o que tem auxiliado a complementar a renda familiar, já que ela ainda tem dificuldades para conseguir um emprego fixo.

“Quando eu saí da prisão, ninguém queria me dar emprego”, relata a beneficiária. “Eu sonho com o dia que eu vou chegar e devolver o bolsa família. Mas isso leva um tempo. Eu tenho no meu currículo um ‘ex-presidiária’. Então, leva um tempo para se formar, fazer faculdade e conseguir um bom emprego.”

Para permanecer no programa, a escola tem que enviar a frequência escolar de Alberto, Janaína, Débora e das gêmeas Sara e Clara. O filho mais novo, Iago, tem apenas 10 meses: para ele, o requisito é a atualização da caderneta de vacinação. Já Antônia, ela mesma, participa do grupo de mulheres no CRAS da sua cidade, o município de Senador Guiomard (AC).

“O Bolsa Família é uma ajuda. [O programa] ajuda muito as pessoas necessitadas de baixa renda. Agora, quem tá lá em cima, quem não precisa do Bolsa Família fica julgando, mas não sabe o que a pessoa que está lá embaixo precisa e necessita", afirma.

"Pode ter pessoas que usam de má-fé, mas tem pessoas que [o benefício] é o único ganho-pão que elas têm. É por elas serem preguiçosas e acomodadas? Não. É por falta de oportunidades. A sociedade é muito cruel com reeducandos, com pessoas que já foram presas. Ficam sempre com o pé atrás. E o Bolsa Família dá uma oportunidade de suprir essa parte que falta”, pondera.

Operação pente-fino

O governo alega que a fila do Bolsa Família está zerada há 13 meses – ou seja, que conseguiu integrar todas as pessoas que procuraram o programa neste período. E, no final de abril deste ano, reajustou o valor do benefício em 5,67%. Mas, no mesmo mês, 671 mil benefícios do programa de transferência de renda foram cancelados.

Considerando entradas e saídas de beneficiários no período de um ano, o saldo é negativo: de julho de 2016 a agosto de 2018, 5,9 milhões de famílias entraram e 6 milhões saíram do programa. O governo federal argumenta que a rotatividade no Bolsa Família é usual.

bolsafamilia

Em 2016, o governo de Michel Temer (MDB) realizou a Operação Pente-fino para corrigir eventuais irregularidades na concessão de programas sociais em que, no total, foram cancelados benefícios de 5,2 milhões de pessoas do Bolsa Família.

Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), os motivos mais frequentes para cancelamentos de benefícios são renda superior ao declarado, não cumprimento de condicionalidades, ausência reiterada de saque e não atualização de informações do Cadastro Único.

"Desde o pente-fino, as checagens são mais frequentes e as bases de dados, mais numerosas. O beneficiário passa por batimento de informações antes de ser habilitado a receber o benefício, o que resulta em um melhor direcionamento do recurso", informou o MDS.

Jucimeri Silveira analisa que o discurso sobre a necessidade de ajustes, no entanto, dificultam o acesso ao benefício.

"Nós sabemos da importância do constante aprimoramento do programa, visando sua totalização, com critérios de equidade para alcançar as famílias que mais precisam. Mas, isso na prática, tem significado a exclusão de muitas famílias do acesso a esse importante programa”, denuncia a professora.

O deputado Patrus Ananias (PT-MG) foi o responsável por elaborar o Bolsa Família no âmbito do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Ele lembra que, há 15 anos, o programa enfrenta resistências da opinião pública.

"Desde o início, o Bolsa Família teve que enfrentar essa oposição dessa elite brasileira retrógrada, que sempre falava sobre as portas de saída. Quer dizer, as pessoas nem tinham chegado e já queriam que elas saíssem do programa."

Falta acompanhamento

Apesar da propaganda de que a fila do Bolsa Família está zerada, o governo federal não tem informações consolidadas sobre o perfil de quem sai do programa. De 13,8 milhões de beneficiários do Bolsa Família em 2017, cerca 35 mil pediram desligamento voluntário; ou seja, apenas 0,25% do total de famílias que participam do programa.

Em contrapartida, no mesmo período, quase 1,67 milhão viram o benefício cancelados devido a processos de averiguação e revisão cadastral no mesmo período.

As famílias podem ser excluídas do programa por fiscalização, revisão e averiguação cadastral ou por descumprimento de condicionalidades, como a frequência escolar de crianças e adolescentes de famílias que integram o programa.

Os beneficiários também podem sair do Bolsa Família devido à superação das condições econômicas ou voluntariamente, como foi o caso da estudante sergipana Iva Mayara, que entregou simbolicamente seu cartão do programa ao ex-presidente Lula durante a caravana do petista à região nordeste.

No entanto, o MDS não tem dados consolidados sobre os motivos dos desligamentos acumulados no programa no último ano.

Em resposta a um pedido do Brasil de Fato feito pela Lei de Acesso à Informação, a Secretaria Nacional de Renda de Cidadania (Senarc), órgão do MDS, afirmou que, para associar os cancelamentos das famílias e seus respectivos motivos, "seria necessário deslocar recursos humanos e tecnológicos da Secretaria, o que impactaria a rotina operacional do órgão".

Professora do curso de Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Aldaíza Sposati afirma que a desorganização destes dados é grave porque afeta a possibilidade de avaliar o andamento do programa.

"Esse trato desqualificado dos resultados dá a impressão que tanto faz se o programa vem tendo ou não alguma resolubilidade perante as famílias. Se você não sabe se essa passagem pelo programa teve um resultado positivo ou negativo é porque não importa o que vai acontecer com essa pessoa", criticou.

Para Sposati, a falta de transparência revela “incapacidade de gestão”: “Na medida em que não há uma clareza dessas razões, isto beira um desrespeito porque não se sabe dizer se o motivo é ou não pertinente”, continuou.

Patrus Ananias considera que “não é razoável” o governo não apresentar os dados cruzados, já que há possibilidade de fazer o acompanhamento detalhado do programa.

Ele pontua que é contraditória a redução de famílias atendidas em um cenário de recessão econômica. A pobreza extrema aumentou 11,2% no país entre 2016 e 2017, mostrou uma pesquisa com base nos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Estamos vendo pessoas sendo retiradas do programa sem nenhum dado, sem nenhuma informação clara do porquê; se essas famílias alcançaram, de fato, um patamar de vida mais digno em termos de capacitação profissional ou de acesso ao mercado de trabalho em um momento que aumenta drasticamente o desemprego”, lamentou.

“Hoje é possível ter todos esses dados, com o desenvolvimento tecnológico e com modernas ferramentas. Nós tínhamos um controle e monitoramento permanente de todas as famílias do Bolsa Família, em todo o território nacional.”

Outro dado que o governo federal não disponibilizou foi o cadastramento de pessoas pela estratégia de busca ativa. A abordagem, criada durante pelo Plano Brasil Sem Miséria durante o governo de Dilma Rousseff, consiste em localizar e incluir pessoas em situação de vulnerabilidade para ampliar a cobertura do programa.

Segundo o governo federal, não é possível gerar estes dados, no âmbito nacional, porque a estratégia “cabe às gestões municipais, responsáveis pelo processo de cadastramento”.

Futuro do programa

A proposta de Orçamento de 2019 encaminhada pelo governo golpista de Michel Temer (MDB) previa apenas R$ 15 bilhões para o programa, metade do orçamento anual necessário para sua manutenção. O governo recuou e, em setembro, confirmou o orçamento de R$ 30 bilhões.

O deputado Patrus Ananias analisa que o programa deve ter a verba encolhida, na prática, como efeito da Emenda Constitucional (EC) 95, aprovada em dezembro de 2016 e que limitou os investimentos públicos por 20 anos. Ele afirma que a proposta "assinou a sentença de morte" do programa.

Jucimeri Silveira afirma que o programa também tem o desafio de se manter e ampliar sua cobertura com a troca da administração após as eleições presidenciais de 2018.

"Nós precisamos que o próximo governo, de fato, tenha compromisso com a realização e efetivação dos direitos sociais, das políticas sociais. Isso significa, na prática, revogar a emenda Constitucional 95. É preciso entender que isso é investimento. Em uma sociedade desigual, em que não há pleno emprego, as políticas sociais cumprem um papel social e econômico fundamental", diz.

O candidato à presidência Fernando Haddad, do PT, promete "reforçar investimentos no programa Bolsa Família” em seu plano de governo. O petista também se comprometeu com a revogação da PEC do Teto.

Ele diz ainda que vai “incorporar as famílias em condição de pobreza sem acesso ao Bolsa Família e promoverá a universalização da segurança de renda e ampliação de cobertura quanto a fatores de insegurança e desproteção social, especialmente inclusão produtiva."

Já o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, após um histórico de declarações contra o programa durante toda sua carreira, atenuou o discurso e propôs o pagamento de 13º a beneficiários do Bolsa Família.

O candidato de extrema direita afirma que o dinheiro virá do combate a fraudes, que, segundo o presidenciável, somam até R$ 8 bilhões. A Controladoria-Geral da União (CGU), no entanto, não confirma o montante mencionado por Bolsonaro. Segundo o órgão, não é possível estimar um percentual de fraude em todo o programa.

 

*Brasil de Fato

advogados sindicalizados

expressao popular uneafro grito dos excluidos assembleia popular