Imprimir
PDF

TSE sobre fake news: "Gostaríamos de ter um solução eficaz. De fato, não temos"

Polícia Federal conduzirá investigaçã criminal de forma sigilosa e não dá prazo para conclusão


R.WeberA presidenta do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber, afirmou neste domingo que a instituição fez tudo o que pode para combater a disseminação de notícias falsas durante as eleições gerais de 2018.

Weber deu a declaração durante entrevista coletiva à imprensa na tarde deste domingo (21). Na mesma ocasião, foi informado que o inquérito da Polícia Federal solicitado pela Procuradoria-Geral da República e que investiga as revelações da reportagem da Folha de S.Paulo correrá em sigilo.

“Nós entendemos que não houve falha alguma na Justiça Eleitoral no que tange a isso que se chama fake news. Gostaríamos de ter um solução pronta e eficaz. De fato, não temos”, afirmou Weber.

A presidenta do órgão não deu declarações mais profundas em relação ao escândalo de caixa dois envolvendo a campanha de Jair Bolsonaro (PSL), alegando que a Lei Orgânica da Magistratura veda comentários sobre processos ainda em andamento, evitando inclusive fazer projeções sobre os possíveis desdobramentos eleitorais das apurações.

A demanda colocada pela campanha do PT - de que a Justiça Eleitoral deveria realizar medidas cautelares de busca e apreensão nas empresas e agências envolvidas no caso no bojo das ações de investigações judiciais eleitorais - não foi rebatida pela ministra.

Também presente na coletiva de imprensa, o delegado da Polícia Federal Elzio Vicente da Silva, que comanda a Diretoria de Combate ao Crime Organizado, apontou que, além do sigilo requerido pelo delegado que conduz o caso na esfera criminal, é impossível em falar em prazos para que a investigação seja concluída.

“A investigação que foi instaurada corre em sigilo, [apesar de que] há sempre um esforço para que se dê o máximo de transparência aos atos da Polícia Federal. No caso mencionado, o que se pode dizer que a investigação será conduzida com a máxima amplitude para se chegar à máxima acurácia, dentro de um prazo razoável.  É imprevisível”, afirmou.

A campanha de Jair Bolsonaro é suspeita de ter recebido financiamento empresarial não declarado - duas práticas vedadas pela lei eleitoral -  para contratar serviços de disparo de mensagens no WhatsApp. Silva justificou o sigilo, entre outras coisas, para preservar a “estratégia de investigação”.

 

*Brasil de Fato

advogados sindicalizados

expressao popular uneafro grito dos excluidos assembleia popular