Imprimir
PDF

Em vídeo, filho de Bolsonaro ameaça fechar o STF. Ministros protestam

Ed.BolsonaroDeputado Eduardo Bolsonaro afirmou, em palestra, que se houver tentativa de impugnar a candidatura do pai o STF "terá que pagar para ver". Para ele, bastam "um soldado e um cabo" para fechar a Corte

 

São Paulo – Filho do candidato de extrema-direita a presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), o deputado Eduardo Bolsonaro foi gravado fazendo declarações ameaçadoras e desrespeitosas sobre o Supremo Tribunal Federal (STF), durante uma palestra, em julho, quando afirmou que, se o tribunal promover alguma ação para impugnar a candidatura do pai, "terá que pagar para ver  que acontece. Será que eles vão ter essa força mesmo? Se quiser fechar o STF você não manda nem um Jipe, manda um soldado e um cabo", afirmou. O vídeo viralizou nas redes sociais durante o domingo (21).

A declaração foi dada em um cursinho preparatório para ingressar na Polícia Federal. O deputado respondia a um aluno que perguntou se ele descartava uma ação do STF para impedir a eleição do pai – e uma consequente reação das Forças Armadas. Foi o suficiente para Eduardo questionar a legitimidade da mais alta corte do Judiciário: "Mas aí eles vão ter que pagar para ver. Será que vão ter essa força toda mesmo? O pessoal até brinca lá: se quiser fechar o STF você não manda nem um Jipe, manda um soldado e um cabo. Não é querendo desmerecer o soldado e o cabo. O que que é o STF?. Tira o poder da caneta de um ministro do STF, o que que ele é na rua?", declarou.

"Se você prender um ministro do STF, você acha que vai ter uma manifestação popular em favor dos ministros do STF? Milhões na rua ‘solta o Gilmar, solta o Gilmar’ (referência ao ministro do STF Gilmar Mendes). Com todo o respeito que tenho pelo ministro Gilmar Mendes, que goza de imensa credibilidade junto aos senhores", ironizou o deputado.

No vídeo, Eduardo segue mostrando apoiar que as instituições democráticas sejam desrespeitadas, desde que favoreçam a candidatura do pai. "É igual a soltar o Lula. O Moro (juiz federal Sérgio Moro) peitou um desembargador que está acima dele, por quê? Porque o Moro está com moral pra cacete. Vai ter que ter um colhão filho da puta para conseguir reverter uma decisão dele", disse.

O ministro Celso de Mello, decano do STF, classificou a afirmação do deputado federal eleito pelo PSL, de "inconsequente e golpista". Disse ainda que o fato de Eduardo ter tido uma votação expressiva nas eleições – quase 2 milhões de votos dos eleitores de São Paulo – não legitima "investidas contra a ordem político-jurídica". O magistrado, que é o decano do STF, enviou ao jornal Folha de S. Paulo uma declaração por escrito para protestar contra as declarações.

Segundo a coluna Painel, da Folha desta segunda (22), as falas agora reveladas de Eduardo Bolsonaro deixaram os ministros do STF "chocados" e evidenciam "autoritarismo e despreparo". Ouvido pelo jornal O Estado de S. Paulo, o ministro Marco Aurélio Mello considerou "muito ruim" o conteúdo do vídeo com o filho do presidenciável. Para o magistrado, a declaração mostra que "não se tem respeito pelas instituições pátrias. Vamos ver onde é que vamos parar."

A repercussão fez Eduardo contrariar a si mesmo, em posts nas redes sociais na tarde do mesmo dia, afirmando que nunca defendeu tal posição. "Se fui infeliz e atingi alguém, tranquilamente peço desculpas e digo que não era a minha intenção". O próprio candidato Jair Bolsonaro tentou desqualificar a manifestação do filho e disse a jornalistas que "se alguém falou em fechar o STF precisa consultar um psiquiatra".

Por sua vez, a presidenta do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), também se manifestou contra a ameaça à democracia feita pelo representante da candidatura de extrema-direita, apontada como favorita para vencer as eleições de 2018. "A família miliciana de Bolsonaro já se sente dona do Brasil! Um dos filhos diz que se não gostar de decisão do STF vai mandar fechá-lo com um cabo e um soldado. Se pretendem isso com o Supremo, pensem no que fariam com as pessoas, pobres mortais!", tuitou.

 

 

Assista ao vídeo:

Link para o Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=f-dPdh3fe5Q

advogados sindicalizados

expressao popular uneafro grito dos excluidos assembleia popular