Imprimir
PDF

Escalada repressiva contra as universidades públicas é inconstitucional e ameaça liberdades democráticas

agente universidadesNota da Diretoria da Adusp

Frente aos episódios ocorridos no dia 25 de outubro em diferentes universidades públicas do país, a Diretoria da Adusp solidariza-se com as respectivas comunidades de docentes, funcionários e estudantes e com essas instituições de ensino superior atingidas pela violência de aparatos judiciais e repressivos.

As incursões realizadas por agentes do Estado contra universidades públicas, a pretexto de combater suposta propaganda eleitoral, caracterizaram-se pelo exercício puro e simples do arbítrio, tendo como verdadeiros alvos as liberdades de organização e de expressão e a autonomia universitária. Atividades acadêmicas, reuniões de estudantes, simples faixas foram proibidas por juízes e interditadas ou removidas por efetivos policiais.

Não é de agora em nosso país que determinados setores do Judiciário, do Ministério Público, das Polícias e das Forças Armadas buscam amordaçar e intimidar movimentos sociais, sindicatos, partidos políticos e personalidades do mundo da ciência e da cultura. 

Coincidentemente, a inconstitucional escalada repressiva consumada no dia de ontem coincide com as vésperas da mais decisiva eleição já realizada no Brasil. As ações realizadas por agentes do Estado buscaram beneficiar o candidato da extrema-direita, em queda nas pesquisas eleitorais.

Os episódios ocorridos em 25 de outubro merecem o repúdio de todos os democratas. A Diretoria da Adusp soma-se a todos aqueles que protestam, com veemência, contra esse ataque à autonomia universitária e às poucas liberdades democráticas ainda em vigor no Brasil.

 

*Adusp

advogados sindicalizados

expressao popular uneafro grito dos excluidos assembleia popular