Por Marina Azambuja

Levantamento da Defensoria Pública do Rio de Janeiro confirma desigualdade social e racismo

Uma pesquisa realizada pela Defensoria Pública do Rio de Janeiro comprova que 80% dos presos em flagrante do RJ são negros. 

De acordo com o levantamento, os pretos e pardos são mais agredidos em relação aos brancos no momento das prisões e possuem mais dificuldades para conseguir a liberdade provisória. 

Os dados apontam que 37%  das pessoas negras presas em flagrantes são acusadas de tráfico de drogas, 26% por roubo e 19,3%, furto. 

As mulheres negras e pardas também são vítimas do sistema carcerário. A porcentagem de encarceramento dessas mulheres chega a 74% e 72% dessas tinham a renda de um salário mínimo. Elas são acusadas por crimes de pequena gravidade e sem violência como furto. 

A pesquisa foi realizada entre os anos de 2017 e 2019 e ouviu mais de 23 mil pessoas. 

Esses fatos comprovam que o racismo institucional é elemento central em nossa Segurança Pública e Política Criminal.

Fonte: Jornal Bom Dia Rio