Por Marina Azambuja

O Sindicato das Advogadas e Advogados do Estado de São Paulo (SASP) protocolou um ofício para o governador do estado de São Paulo, João Dória, e para o prefeito da capital paulista, Ricardo Nunes, questionando as condutas da Polícia Militar e Guarda Civil Metropolitana que dificultaram a distribuição de alimentos para moradores de rua no último sábado e domingo, 07 e 08.

A denúncia foi feita pelo padre Júlio Lancellotti, da Pastoral do Povo da Rua de São Paulo,  que expôs a realidade da população em situação de rua e o aumento da fome na cidade. 

O SASP solicitou que o caso fosse encaminhado às respectivamente Corregedorias para que houvesse apuração em relação ao comportamento dos agentes durante a ação social na região da Luz. 

No mesmo dia da ação da PM, padre Júlio Lancellotti e sua instituição foram atacados virtualmente pelas ações sociais realizadas. Desde o início dos ataques, a Pastoral do Povo da Rua de São Paulo passou a ter mais visibilidade e recebeu muitas doações e apoios.

Em fevereiro o padre Júlio Lancellotti foi homenageado pelo SASP e recebeu o Prêmio João José Sady de Direitos Humanos pelas ações humanitárias e de amparo que desempenha na cidade de São Paulo. 

Saiba mais na coluna de Mônica Bergamo na Folha de São Paulo.